Blog

Conheça os tipos de cirurgia plástica nas mamas

Conheça os tipos de cirurgia plástica nas mamas

Por: - Cirurgião Plástico - CRM/SC 8130 RQE 2674
Publicado em 16/11/2016 - Atualizado 08/02/2019


A área da cirurgia plástica dispõe de diversas opções de procedimentos para a região das mamas. Cada um deles atende a um propósito específico. O número de alternativas e as nomenclaturas semelhantes tendem a confundir as mulheres acerca de qual é a função de cada uma delas. Este artigo vai te auxiliar a entender os tipos de cirurgia plástica nas mamas de forma mais clara, mas é importante que a paciente consulte um cirurgião plástico experiente e qualificado para que ele faça uma avaliação individual e recomende a mais adequada às necessidades e expectativas.

Tipos de cirurgia plástica nas mamas e suas características

Lifting de mama

Também conhecido como mastopexia, serve para corrigir a flacidez. O lifting de mama reposiciona a aréola (e a reduz, caso seja necessário) e o tecido mamário (comprimindo-o para compor o novo contorno da mama), além de remover o excesso de pele. O procedimento tem caráter rejuvenescedor, pois o resultado é o de uma mama com aspecto firme.

O ponto chave desta cirurgia é que ela não altera significativamente o tamanho ou volume das mamas – por isso, pode ser realizada conjuntamente a outros tipos de cirurgia plástica nas mamas, como a de aumento ou de redução.

Os resultados são imediatamente visíveis. Manter o peso estável é fundamental para prolongá-los. Mulheres que ainda planejam ter filhos devem saber que a gravidez pode ocasionar a perda dos resultados obtidos com o lifting e que pode haver dificuldade de amamentar após a cirurgia.

Mamoplastia de aumento

A cirurgia de aumento da mama consiste na utilização de implantes de silicone para dar ou restaurar o volume mamário perdido e garantir mais firmeza. A técnica pode ser usada por quem tem mamas pequenas ou quando houver diminuição do tamanho devido à gravidez, aleitamento materno, envelhecimento, ressecções de tumores, mastectomia (retirada da mama) ou à perda de peso.

A técnica da mamoplastia de aumento não resolve o problema das mamas caídas. Neste caso, é preciso realizar um reposicionamento (isso é feito com o lifting de mama). Quando as duas cirurgias são realizadas em conjunto, o procedimento é chamado de mastopexia com prótese.

Os resultados são imediatamente visíveis, mas não há garantia de que os implantes vão durar por toda a vida, e a substituição de um ou ambos pode ser necessária. Gravidez, oscilações de peso, envelhecimento e a menopausa podem influenciar nos resultados da mamoplastia de aumento.

Mamoplastia redutora

A mamoplastia redutora remove o excesso de gordura, de tecido glandular e de pele para atingir um tamanho de mama proporcional ao corpo e aliviar o desconforto associado às mamas muito grandes. É indicada para mulheres que sofrem de dor nas costas, pescoço e ombros devido ao peso excessivo do tecido mamário.

Os resultados são imediatamente visíveis, mas sua manutenção também depende de evitar oscilações no peso. A gravidez posterior à cirurgia também pode alterar o tamanho e formato das mamas.

Reconstrução mamária

A reconstrução da mama é feita através de técnicas que consideram a forma, a aparência e o tamanho após a mastectomia. Caso apenas uma mama for afetada, somente ela pode ser reconstruída. Para ajustar a simetria entre ambas, podem ser realizados outros tipos de cirurgia plástica nas mamas, como a redução, a mastopexia ou o aumento.

O uso de implante mamário para reconstrução exige, quase sempre, uma ou mais técnicas de retalho ou expansão de tecido. A mama reconstruída não terá a mesma sensibilidade da mama perdida.

Material escrito por:
Cirurgião Plástico - CRM/SC 8130 RQE 2674

Formado em medicina pela UFSC e mestre em Cirurgia Plástica pela USP, o Dr. Evandro Parente dedica sua carreira para aliar o relacionamento de confiança com seus pacientes e a qualidade nos resultados. É membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da qual foi presidente na regional Santa Catarina.

Falar pelo WhatsApp